Odontopediatria: clínica inclusiva para as crianças

Odontopediatria: clínica inclusiva para as crianças

A odontopediatria é um ramo da odontologia que atende os cuidados dentários de bebês, crianças e adolescentes. Além de realizar os tratamentos, o odontopediatra tem o dever de orientar os responsáveis sobre os cuidados diários para a criança ter uma saúde bucal sadia.

A área é muito importante no ramo da odontologia, porque ela é, muita das vezes, a primeira experiência em uma clínica odontológica e consequentemente essa criança é um futuro paciente do consultório ou clínica odontológica.

Como você já sabe, não é necessário ter uma odontopediatria para atender crianças, mas o consultório e o dentista tem que saber lidar com elas. O consultório tem que ser um ambiente onde as crianças se sintam confortáveis, a decoração tem que ser adaptável a esse tipo de paciente e o atendimento precisa ser muito sensível e carismático.

Neste post você verá como adaptar os espaços físicos do consultório e melhorar no atendimento aos pequeninos.

Vamos nessa!

Ambiente físico inclusivo para as crianças

O ambiente físico é muito importante para o atendimento odontológico das crianças. Além do dentista ser adaptável, no atendimento, sabendo lidar com diversos tipos de pacientes, o consultório e clínica também necessitam ser adaptáveis a cada tipo de paciente, essa é uma necessidade que muitos dentistas notam atualmente.

As crianças, geralmente, quando vão ao dentista estão inseguras, estão com medo. E para ter um atendimento inesquecível você terá que aplicar alguns critérios de inclusão no espaço físico, como:

  • Espaço Kids: determine um local físico para as crianças ficarem à espera. Esse local deve ser perto da sala de espera ou dentro da sala de espera. O objetivo é um local onde possa entretê-las. Nesse espaço coloque brinquedos, uma mesa ou lousa, lápis e papel para desenharem. Assim, a probabilidade que elas fiquem entediadas é mínima.
  • Atenção com mobília: tenha atenção no momento de escolher as mobílias do consultório, pois existem aquelas crianças frenéticas que correm de lá pra cá, aquelas imparáveis. É preciso muito cuidado, porque elas podem sofrer acidentes nos móveis. Para evitar isso, substitua as cadeiras e sofás com pontas, adquira móveis que sejam fáceis de limpar, análise as prateleiras do consultório e veja se está ao alcance das crianças.
  • Ter um fraldário: ter uma clínica inclusiva para as crianças é muito importante oferecer um fraldários. Assim os pais reconheceram o cuidado que o consultório têm com as crianças e não terão dúvidas em levar os filhos novamente à sua clínica.

Atendimento

O atendimento pode se tornar uma das tarefas mais difíceis quando se trata de crianças. Não é difícil encontrar crianças que têm pavor de dentistas e é exatamente por este motivo que o atendimento necessita de muita sensibilidade e cuidado. Destacamos algumas dicas para o momento do atendimento ou da consulta.

  • Lidando com o medo: provavelmente, quando criança, você já teve medo em ir ao dentista ou ao médico, porque lembrou daquela seringa com a ponta gigantesca. Só de imaginar já doía. Esse é um dos medos mais frequentes das crianças, o medo da dor. Para minimizar isso no momento de aplicar a anestesia, caso necessite, tente fazer analogias ao mundo infantil, como “é uma picadinha igual do pernilongo”. O importante é entender a situação e ser o mais carismático possível, por exemplo, se a criança chegou à consulta chorando tente acalmá-la com brincadeiras.
  • Sensibilidade: é muito importante, antes de tudo, que você goste de trabalhar com crianças, porque nas diversos tipos de personalidades, o dentista encontrará barreiras que só podem ser ultrapassadas com sensibilidade e sem rigidez. A criança reconhece quando está sendo tratada com carinho e respectivamente responde a esse estímulo, de maneiras diferente um das outras.  
  • Envolver a criança no atendimento: quando você envolve a criança no giro do atendimento odontológico, percebe que os resultados são os melhores possíveis. E não é diferente com o paciente adulto, porque o engajamento gera resultados reais.

Separamos a seguir algumas dicas para envolvê-las (crianças) no atendimento odontológico:

  1. Distração: como já mencionamos, no momento da consulta a barreira mais comum entre as crianças é o medo e é por isso que distraí-la pode ajudar. Por exemplo, conte uma história antes da consulta onde as cáries são os “vilões” e o tratamento o herói.
  2. Recompensas: antes de iniciar a consulta você pode oferecer recompensas para ela ter um bom comportamento, utilize essa dica apenas quando a criança estiver agitada e atrapalhando o momento da consulta.

  3. Engajamento: você pode envolver a criança na consulta falando sobre os equipamentos que serão utilizados de maneira simples, explicando a utilidade desses instrumentos. Assim, você faz uma etapa de apresentação do equipamento e colocando-o em prática.

Conclusão:

Você viu neste post blog a importância de ter um clínica inclusiva as crianças, já que este público além de muito perspicaz, também é o seu futuro paciente. Uma clínica inclusiva às crianças necessita de um espaço adaptável, que contenham objetos coloridos, quadros de personagens de quadrinhos, espaço para colorir, por exemplo. Além disso, é importante prevenir o local de acidentes, retirando as quinas das mobílias ou as delimitando o acesso.

E não basta apenas preocupar-se com espaço físico, o atendimentos tem ter muita sensibilidade, porque é no público infantil que notamos as barreiras mais difíceis de serem ultrapassadas.

Gostou desse post blog? Então, não deixe de compartilhar com sua equipe.

Agradecemos a leitura!